MAC/SESI aborda inclusão social e lota Teatro Municipal de Mossoró

25/08/2017   17h00

 

 

O SESI Mossoró realizou nesta quinta-feira, 24, no Teatro Municipal Dix-Huit Rosado, mais uma edição da Mostra Artística-Cultural – MAC/SESI. O evento lotou o local e foi conduzido pelos alunos da Educação Básica e Educação Profissional – EBEP, que subiram ao palco para expor a temática central “Inclusão Social: desafio entre o real e o ideal” (veja álbum de fotos no final).

 

O gerente do CAT SESI/Mossoró, Denilson Santana, deu as boas vindas em nome da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Norte – FIERN. Após a apresentação corporativa, houve uma homenagem ao dramaturgo, romancista, ensaísta, poeta e professor brasileiro, Ariano Suassuna.

No palco, peças teatrais com releituras literárias de clássicos como Romeu e Julieta, de William Shakespeare; Meu de Pé Laranja Lima, José Mauro de Vasconcelos, de Dom Casmurro; de Machado de Assis, A Hora da Estrela, de Clarice Lispector; dentre outras, além de cenas conectadas ao espetáculo musical. O projeto teve como objetivo este ano, sensibilizar os alunos do EBEP e discutir sobre a inclusão social de pessoas com deficiência e/ou transtorno na sociedade.

 

 

 

Gerente destaca reflexão sobre a sociedade

 

“O evento é de extrema importância porque nós conseguimos levar reflexões de temas importantes não só para nossos alunos, mas para comunidade de modo geral – convidados presentes, familiares de nossos estudantes. É por meio desse momento lúdico que todos têm a oportunidade de refletir sobre ação tão importante e presente atualmente em nossa sociedade”, enfatizou Denilson Santana. Segundo ele, o projeto está consolidado e auxilia os alunos no desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM.

 

Na ocasião, professores, estudantes, colaboradores do SESI e apreciadores diversos, puderam conferir as conexões artísticas e culturais apresentadas por aproximadamente 200 estudantes da EBEP. Temáticas sobre deficiências auditivas, motoras, visuais e intelectuais foram abordadas no decorrer das encenações com intuito de mobilizar e integrar o público através das diversas linguagens, entre elas, performances, dança e música. Transtorno como o autismo, também foi abordado.

 

De acordo com a coordenadora pedagógica Iadja Linhares, o Projeto MAC tem um viés socioeducativo, lúdico e transformador para os alunos, além de didáticas que buscam socializá-los, sensibilizá-los e provocá-los com temas e discussões inseridas nos contextos moral e ético. “O evento não se limita apenas nas apresentações, mas em pesquisas embasadas que contribuem para que os estudantes possam adquirir a noção real da sociedade, muitas vezes conturbada e enraizada de preconceitos”, afirmou o professor, Augusto de Negreiros.

 

No cenário, efeitos de luzes, projeção visual, adaptações sonoras, chuva de balões e elementos ilustrativos deram vida as obras literárias da MAC, exibidas no palco. A encenação sobre a deficiência auditiva emocionou o público com o espetáculo dançante em estilo neoclássico. Movimentos sutis e contemporâneos dialogaram sobre as ausência de braço, audição, voz e visão. Cena sobre preconceito e/ou exclusão do autista, também foi abordado no palco com encenação em sala de aula, momento que mostrou a realidade do contexto escolar.

 

 

Participação muda a vida de alunos

 

“Este projeto mudou completamente minha maneira de enxergar as deficiências no decorrer deste estudo. Desprendi-me do preconceito. Foi necessário desconstruir para construir com o processo de estudo tanto teórico quanto prático da MAC,” ressalta a aluna Lara Lívia Viana, que cursa o primeiro ano da EBEP. Já para estudante Tífane Larissa Gomes, o projeto a possibilitou interagir para entender e compreender as deficiências e transtornos apresentados. “Esforcei-me para mostrar ao público de maneira sútil todo o conhecimento adquirido no decorrer dos estudos”, salientou.

 

A MAC, que estar em sua terceira edição, saiu mais uma vez do campus EBEP/ SESI para o palco do Teatro Municipal Dix-Huit Rosado levando a arte e cultura para a cidade. “O projeto é de extrema importância para a construção social da população mossoroense, e principalmente para a escola de modo em geral. Reflexões sobre aspectos sociais devem ser inseridos constantemente na sociedade e também dentro do contexto escolar, mostrando as dificuldades que permeiam esta realidade, que ainda carecem de informações”, ressaltou o professor Aryon Soares. “A MAC oportuniza os alunos irem além do contexto social abordado no projeto, como a vivência e aproximação com os portadores de deficiências e toda logística administrativa para execução do evento”, complementou Thaysa Kamachy, também integrante do corpo docente.

 

Diretor da FIERN  realça dimensão do trabalho

 

“Não conseguimos enxergar a dimensão deste trabalho magnífico realizado pelos alunos desta corporação, mesmo integrando o Sistema da Indústria. O SESI vai muito além da inclusão social, o nosso diferencial é o setor produtivo em todos os aspectos”, ponderou o diretor da FIERN, Vinícius Costa Lima. Também esteve presente a gerente do Instituto Euvaldo Lodi – IEL, Camila Carvalho.

 

O evento contou dessa vez com intérprete de libra durante toda a apresentação. Temáticas como “Intolerância e Tolerância: convivência com as diferenças; e Embate entre Ideias: Existe Certo ou Errado?”, também integraram os debates em eventos anteriores.

 

[ape-gallery 7089]